Esqueci minha senha cadastre-se

Estúdio de Tatuagem e Piercing Pindamonhangaba, São Paulo

Encontre os Estúdios de Tatuagem e Piercing de Pindamonhangaba. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região,aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Terapia Floral
(15) 3221-2345
Av. Washington Luiz, 573
Sorocaba, São Paulo
 
Fran's Hair Studio
(11) 2449-1002
Av Samuel Martins, 750
Jundiai, São Paulo
 
ESPAÇO ZEN
(11) 4402-1490
Rua dos Coqueiros, 73
Atibaia, São Paulo
 
ciep
(16) 3214-1577
rua major carvalho filho
araraquara, São Paulo
 
massagem
(19) 8800-5133
av.joaquim alves correia - 4924 - nova suiça
valinhos, São Paulo
 
Terapia Ocupacional
(11) 7412-9526
Rua Antônio Cereser, 245 Jd Itália
Jundiaí, São Paulo
 
Musicoterapia - Clínica Libertas
(11) 6503-9480
Rua José Bonifácio, 881
Atibaia, São Paulo
 
Espaço terapia corporal
(19) 3841-4808
Rua:piaui n 217 jd centenario
mogi guaçu, São Paulo
 
Avon Jacareí
(12) 9153-0163
Villa Branca
Jacareí, São Paulo
 
Nipponflex - Vendas
(19) 3909-4892
Rua: Agudos, 170
Hortolandia, São Paulo
 

Estúdio de Tatuagem e Piercing

Fornecido por: 

Um modismo mundial que virou febre entre os jovens e adolescentes é o piercing. O piercing não é coisa nova como se pode supor. Durante séculos foi usado como símbolo de força, fertilidade, ornamentação, diferenciação de raças, clãs, e religioso sendo que, neste ultimo havia uma simbologia com sentido místico e mágico.

Os piercings podem ser colocados em diversas áreas do corpo, sendo que sobrancelha, boca, umbigo, nariz e orelha são as mais usuais, ou pelo menos as mais vistas, pois, também são usados nos mamilos e órgão sexuais – glande, entre o ânus e o saco escrotal no homem. Na mulher são inseridos nos pequenos e/ou grandes lábios da vulva ou ainda acima do clitóris. Segundo os defensores, além da ornamentação, teria um acréscimo de prazer.

Quanto a formas podem ser como argolas, bolinhas, pendentes, ferraduras, retos e anzóis, entre outras.

Alguns são colocados sobre a pele e apenas a ponta aparecendo, outros ao contrário, as bordas não são visíveis, se vê apenas o corpo da peça.

O tempo de cicatrização varia da região onde é colocada. Um piercing colocado nos lábios pode chegar a oito semanas para cicatrizar, enquanto um no mamilo ou área genital pode chegar a um ano.

O uso contínuo de piercings na boca, segundo a Universidade de Ohio – EUA, “pode causar retração da gengiva além de causar perda de dentes, a retração tem relação com várias doenças na gengiva”, estes resultado foram apresentados na conferência da Associação Internacional e Americana para Pesquisa Odontológica. Esta retração da gengiva é irreversível, o que dificulta a limpeza e eleva a possibilidade de contrair doenças.

A retração da gengiva gera uma aparência desagradável e torna os dentes mais vulneráveis a caries e periodontite. Por ser de efeito localizado, a perda dos dentes fica em geral restrita a dois, exatamente os dois dentes da frente.

Estudos também comprovam que a perfuração ocasionada para a inserção do piercing na língua, dá oportunidade que as bactérias da boca entrem na corrente sangüínea, podendo chegar ao coração.

As jóias impedem o funcionamento normal da boca e mastigação ao mesmo tempo em que provoca um aumento anormal da produção de saliva.

Pesquisadores da FAPESP constataram que os materiais utilizados nos piercings não eram biocompativeis, assim ocasionam reações alérgicas inflamatórias.

Ainda segundo informação da FAPESP, pesquisa efetuada pela equipe do Dr. Artur Cerri, da Faculdade de Odontologia da Universidade de Santo Amaro (Unisa), autopsia realizada em “60 pessoas que usavam piercing há pelo menos dois anos, constatou-se que 40% apresentavam inflamação crônica na porção da língua onde ficava o adorno”.

“Tudo o que é trauma contínuo pode, obviamente, causar cancro, sobretudo quando está associado a outros problemas como o consumo de álcool ou tabaco”, afirma o Dr. E. Pinto Soares. “As pessoas não imaginam os riscos que correm quando fazem este tipo de perfuração”, realça...

Clique aqui para ler este artigo em Cada Dia e Você